Excesso de calor pode colocar a vida de cães e gatos em risco

 Foto: Freepik

Nos períodos mais quentes, a chance de intermação é muito grande, mas pode ser evitada

O verão é a época do ano em que se deve ficar atento a mais um risco aos cães e gatos. Estamos falando da intermação, termo usado pelos médicos veterinários quando o organismo desses animais produz uma quantidade de calor acima do normal ou quando falta ao organismo a capacidade de expelir o calor corporal. Tais situações geram um quadro emergencial que necessita de intervenção urgente.

Médico veterinário e professor da UniAvan, doutor Danilo Aires Chiminelli Júnior explica que como cães e gatos têm uma fisiologia bem diferente da humana, são necessários cuidados especiais para evitar, inclusive, óbitos. “A intermação, ou heatstroke, está diretamente relacionada ao calor. Quando a temperatura corporal do pet ultrapassa 40ºC e não é revertida a tempo, ocorre essa emergência que se assemelha à insolação nos humanos”, destaca.

Os riscos estão principalmente na exposição direta do animal a ambientes muito quentes, abafados e sem ventilação. A prática de atividade física durante os dias e horários mais quentes também é um complicador. O uso de acessórios que impedem os pets de abrirem a boca pode contribuir neste quadro. “Daí a importância de manter água fresca à disposição dos cães e gatos, espaço com sombra e superfícies mais frias para eles se aconchegarem”, explica o veterinário. 

Atenção aos sinais

É preciso estar atento aos sinais. Os sintomas de intermação são: olhar angustiado, inquietude, hipersalivação, respiração ofegante acima do normal, pele muito quente e batimento cardíaco acelerado. O animal ainda apresenta cansaço, fraqueza e indisposição. “Em casos mais graves, pode haver vômitos, coagulação intravascular, edema pulmonar, parada cardíaca e lesões cerebrais que podem acarretar em convulsões, coma e morte”, complementa Danilo.

Vale destacar que cães de determinadas raças, como as de focinho curto, correm um risco maior de ter intermação. Naturalmente, eles já têm uma dificuldade para respirar devido à anatomia nasal. Na lista estão bulldogs, pugs, boxers, shih-tsu, lhasas apso e outros. Cães obesos também têm os riscos elevados.

Caso você perceba um possível quadro de intermação em seu pet, vá imediatamente a um veterinário. No percurso, resfrie o corpo do seu animal com bolsas de gelo (nunca com o gelo em contato direto com a pele) e evite fontes de calor. Permita ainda que o cão possa abrir a boca e tenha ar fresco para respirar, além de tentar acalmar o bichinho.

Dicas para evitar a intermação

Jamais deixe o animal sozinho dentro do carro em dias de sol e calor;

Evite atividades físicas nos horários mais quentes;

Tenha sempre água limpa e fresca à disposição do seu pet;

Evite lugares com sol; prefira locais com sombra e boa circulação de ar.

Fonte: bellamais.correiodopovo.com.br